Capa » Discipulados » Estudo Bíblico: O Discipulo e a Tentação

Estudo Bíblico: O Discipulo e a Tentação







Nesta lição, focalizaremos o significado da tentação, seus agentes e sobretudo como vencê-la.  Não nos esqueçamos do exemplo máximo, representado na pessoa de Jesus, o qual lutou, venceu e é a nossa garantia de que alcançaremos a vitória contra toda forma de tentação.  A palavra tentação refere-se a uma solicitação para praticar-se o mal.

 Às vezes, a pessoa cai imediatamente em tentação, pois ela não percebe que está sendo induzida a praticar o erro, só depois ela possui a noção real de que uma cilada foi armada para ela.  Em outras ocasiões, o indivíduo claramente identifica a situação; inicia-se um processo de luta, que culminará na realização do pecado ou na resistência sistemática a ele, saindo a pessoa vitoriosa do conflito, porque não cedeu ao pecado.  Jesus foi tentado quarenta dias pelo diabo, contudo não sucumbiu a ela.

 Na conhecida oração do “Pai Nosso”, ensinada por Jesus, ele recomenda que peçamos: “E não nos deixes cair em tentação,mas livra-nos do mal” ( Mat .6:13).

I.  AGENTES DA TENTAÇÃO É necessário que identifiquemos os principais agentes da tentação para que não sejamos derrotados por eles.  A Bíblia afirma em referência a Satanás:”Porque não ignoramos os seus ardis” ( 2 Co.2:11 ).  O conhecimento das estratégias satânicas segundo a Palavra de Deus permite evitemos cair nelas.

1.O Diabo.  Sem dúvida, o principal agente da tentação é Satanás.  Dois nomes são citados ao longo das Escrituras acerca dele: diabo de origem grega, significando caluniador e Satanás de procedência hebraica com o significado de adversário.  Através desses dois nomes, podemos verificar seus objetivos: caluniar os servos de Deus, utilizando-se pessoas para tal e, como inimigo, sempre procurando arquitetar planos contra nós.  Satanás também calunia o próprio Deus.
Existem outros nomes para Satanás como: Pai da Mentira (Jo.8:44
Antiga Serpente (Ap.20:2 ) e Anjo de Luz (2Co.  11: 15 )
Em Ap.12: 9 (‘Ap’,20,2)> são colocados quatro nomes do nosso inimigo lado a lado: o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e Satanás, sendo que em Ap.12:9 < é mostrada uma importante característica sua, enganar todo o mundo.  Também, ele é chamado de “o deus deste século” (2 Co.4:4 ).

 Nesta passagem, nota-se a ação satânica na conversão das almas, pois o texto bíblico refere-se ao ato de Satanás cegar os incrédulos, visto que ele não deseja a salvação do ser humano.  Por isso, devemos orar para que as pessoas possam libertar-se da cegueira espiritual.  Também, Satanás é conhecido como o “príncipe deste mundo” (Jo.12:31 ).
A Bíblia menciona um tempo futuro no qual “o acusador de nossos irmãos é derribado, o qual os acusava de dia e de noite” (Ap.12: 9 ).  Glória a Deus, chegará o tempo em que ficaremos livres de nosso grande inimigo!  Embora possamos sofrer acusações, sabemos que possuímos “um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o Justo” ( 1Jo.2:1  ).  A missão de Jesus é “desfazer as obras do diabo” ( 1Jo.  3:8 ).
A origem deste inimigo é retratada em Is.14:12-15 .  Ele era um ser angelical que ocupava uma posição de destaque.  Um ser glorioso, perfeito, assim a Bíblia o descreve “até que se achou iniqüidade” ( Ez.  28:15 ) nele.  Qual foi o pecado deste ser?  Certamente foi o orgulho, pois não se conformava com sua posição.  Ele estava na presença de Deus, porém não considerava este privilégio: “Você estava no monte santo de Deus e caminhava entre as pedras fulgurantes” (Ez.28: 14 ).  Observemos alguns aspectos conforme Is14.
1- Almejava a mais alta posição (‘Is’,14,13)
2- Desejava ser semelhante a Deus (‘Is’,14,14)
3- Queria glória para si, usurpando, assim.  o lugar de Deus (‘Is’,14,13).

Como Deus expulsasse este ser glorioso de Sua presença, ele permaneceu em rebelião perante o Senhor.  Hoje, procura atrapalhar a obra de Deus e incita o homem a rebelar-se contra o Senhor.  Por isso, vemos tantas pessoas revoltadas contra o criador.  Até no culto, quando as pessoas ouvem a palavra de Deus, ele atua: “ E os que estão junto ao caminho são aqueles em quem a palavra é semeada; mas, tendo eles a ouvido, vem logo Satanás e tira a palavra que foi semeada no coração deles.” ( Mc.4:16 ).  Por isso, é necessário no culto estarmos em espírito de oração, para que haja conversões.  No entanto, a vitória chegou!  Jesus deixou a glória celeste e, habitando neste mundo, enfrentou Satanás e não sucumbiu à tentação, como afirmam as Escrituras: “Um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado” ( Hb.  4:15b  ).  Ao morrer na cruz, Jesus derrotou Satanás e todo o seu império.  Hoje, o tentador é um inimigo sem força.  A morte de Cristo é a garantia de nossa vitória.  Hb.  2:14 mostra o significado da morte de Jesus: …  “Para que, por sua morte, derrotasse aquele que tem o poder da morte, isto é, o Diabo, e libertasse aqueles que durante toda a vida estiveram escravizados pelo medo da morte”.

2.  O mundo.  A atuação do diabo se faz sentir no mundo.  Mundo não representa o mundo físico,mas o sistema organizado que se manifesta como rebelião contra Deus:os valores mundanos se opõem a Deus: o normal é cada um enganar, falsificar.  1 Jo5:19 assim retrata a situação do mundo: “o mundo todo está sob o poder do Maligno”.  A orientação de Satanás é seguida por todos, com exceção daqueles que são nascidos de novo.
3.  A carne.  Antes de receber Jesus, o homem possuía uma mente carnal: são os desejo se inclinações de natureza pecaminosa a que se submetia.  Após a transformação operada por Cristo, o discípulo deseja agradar a seu Mestre.  Rm.8:5 declara o seguinte:”Quem vive segundo a carne tem a mente voltada para o que a carne deseja; mas quem vive de acordo com o Espírito, tem a mente voltada para o que o Espírito deseja” ( NVI ).
A carne é um veículo de tentação, portanto há a necessidade de deixarmos que suas inclinações morram.  Isto só será possível através da consagração, meditação na Palavra de Deus e oração.  Agora novos propósitos são colocados em nossa mente, pois o pecado os domina mais: é o viver segundo o Espírito:”Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão”; conforme Rm.  8: 13 - NVI .
Muitos afirmam que Deus os tentam, todavia Tiago refuta essa afirmação:”Quando alguém for tentado, jamais deverá dizer: Estou sendo tentado por Deus.  Pois Deus não pode ser tentado pelo mal, e a ninguém tenta” ( Tg.  1:13 – NVI ).Tiago explica que Deus não induz ninguém à prática do mal.  Ele pode provar-nos, nunca, porém nos impulsionar ao pecado.
O homem deve assumir a responsabilidade por seus atos.  A seguir, Tiago explica o processo da tentação: é a própria cobiça do homem, ou seja o desejo ardente alimentado no interior da pessoa que a leva a cometer o mal.  A cobiça se instala na mente e se não houver resistência, ocorre o pecado: “Então esse desejo, tendo concebido, dá à luz o pecado, e o pecado, após ter se consumado gera a morte” ( Tg.1:13 ).  No versículo 14, estão em foco, palavras empregadas para pesca ou caça.  Por exemplo, na pesca lança-se uma isca e o peixe nela cai e morre.  Assim, acontece com o pecador: ocorre a morte espiritual, a não ser que ele tenha um encontro com Jesus.  II.  A TENTAÇÃO SE MANIFESTA ATRAVÉS O homem é um ser integral, dotado de corpo, alma e espírito.  Em 1Ts.5:23 , a Bíblia mostra que devemos conservar nosso espírito, alma e corpo irrepreensíveis.  A tentação se manifesta por meio deles.
1. Do Corpo.  Nosso corpo é o templo do Espírito Santo.  Portanto, todas as ações precisam demonstrar a santidade.  O criador dotou o homem de instintos e estes necessitam receber a transformação operada pelo Senhor.
2. Da alma.  A alma permite que os sentidos sejam utilizados e haja comunicação com o mundo exterior.  São os “desejos carnais que guerreiam contra a carne” ( 1 Pd.2:11 - NVI ) Esses desejos podem deixar a alma abatida, se não forem dominados através do Espírito.  
3. Do espírito.  Espírito e alma são inseparáveis, porém é através do espírito é que o homem relaciona-se com o Criador e o adora.  Esse sentido de adoração foi deturpado.  Através da regeneração é criado o novo homem que adora a Deus em “espírito e em verdade.  A salvação deve abranger o corpo, alma e espírito.  III.  COMO VENCEMOS AS TENTAÇÕES O discípulo enfrenta uma grande batalha.  Nesta guerra, é indispensável que o cristão esteja revestido com as armas espirituais.Podemos pensar que estamos sendo perseguidos por alguém,mas na verdade esta pessoa está sendo instigada por Satanás.  Empregar armas humanas, não adiantará, necessitamos usar a estratégia fornecida por Deus através da armadura do cristão descrita em Ef 6:10- 20 .  Assim procedendo, poderemos “estar firmes contra as astutas ciladas do diabo” ( Ef.  6: 1 ).  Vejamos estas armas:
1. O cinto da verdade (v.14 ).  Jesus disse: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”; Jo.8:32 .  Outrora, as pessoas usavam vestes compridas.  Havia, pois necessidade da utilização do cinto, do contrário a roupa poderia causar embaraços e a pessoa cair.  Numa guerra, ainda seria pior, porque a falta do cinto, provocaria a queda do soldado e, facilmente, o inimigo atacaria.  O cinto representa a verdade que deve pautar a vida do cristão.  Sem o cinto, pode-se ficar embaraçado e perder a liberdade de movimentos, que é fundamental para guerrear-se.  Nós somos filhos de Deus e temos compromisso com a verdade.  Já os filhos das trevas seguem ao pai da mentira.  
2. A couraça da justiça.  O peito do soldado não poderia ficar desprotegido.  Representa não a nossa justiça, mas a justiça obtida por meio do sacrifício de Jesus.  Ao ver a justiça de Cristo em nós, o inimigo não nos consegue atingir.
3. Pés calçados na preparação do evangelho da paz.  Numa guerra, era necessário ter-se estabilidade e firmeza no terreno em que se pisasse, por isso as solas dos calçados possuíam cravos para caminhar-se com segurança.  O cristão precisa estar preparado para anunciar o evangelho da paz.  A paz que recebeu lhe fornece a garantia necessária para vencer.  Jesus disse: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá” ( Jo.  14:27 ).  Tendo recebido essa paz, o discípulo deve em qualquer ocasião estar em prontidão para anunciá-la.  
4. O escudo da fé.  Nos dias antigos, numa guerra, havia dardos inflamados os quais eram atirados e queimados.  Normalmente, o dardo era feito de estopa embebido em elemento combustível.  Assim, os escudos de madeira necessitavam de um revestimento de couro para que o fogo se apagasse rapidamente.  O diabo continuamente atira esses dardos para nos atingir.  Somente através da fé, sabendo que aquele que está em nós é maior do o que está no mundo, poderemos vencer.
5. O capacete da salvação.  A cabeça desprotegida ficava vulnerável à ação do inimigo.  O processo da tentação aí se inicia..  O inimigo semeia na mente dúvidas, tentações.  A mente é a parte principal, eis a razão por que ela é alvo de tantos ataques do inimigo: “ Sobretudo o que se deve guardar, guarda o teu coração, porque dele procedem as saídas da vida”, Pv.4:23 .  O capacete da nossa salvação refere-se à segurança que obtivemos de Cristo, pois a certeza do que temos recebido é a garantia de que nenhum mal nos atingirá.  
6. A espada do Espírito.  Arma tanto defensiva como ofensiva, a Palavra de Deus é o instrumento indispensável para vencer-se.  Com ela na mente, saberemos repelir os ataques de Satanás.  Além dessas armas espirituais, temos de resistir ao diabo, não aceitando suas estratégias.  Em Tg.  4:7 , menciona-se primeiro a submissão a Deus, ou seja devemos obedecer-lhe, pois assim conseguiremos resistir às investidas satânicas. Jesus enfrentou o inimigo durante quarenta dias e o venceu: “ As tentações do Diabo tiveram como foco três áreas cruciais: (1) a física, representada pela necessidade de comer, satisfazer o desejo de saciar a fome; (2) a emocional, representada por uma necessidade de segurança;(3) a psicológica, representada pelo orgulho, fazer-se superior a Deus como intentou o Diabo.” (ver 1 Jo.2.15 ,1.6 ) ( BÍBLIA DE ESTUDO APLICAÇÃO PESSOAL ).
Certos ambientes e situações são propícios à tentação, porque ninguém é forte demais.  Jesus ressaltou que a carne é fraca.  Nesses casos, devemos evitar esses ambientes e fugir dele.
O discípulo deve constantemente reavaliar-se.  Necessita cultivar primeiramente uma vida de oração, estudo da Palavra e sobretudo vigiar.  Jesus disse: “ Vigiem e orem para que não caiam em tentação” ( Mt.26:41a ).
· Pessoas que caíram em tentação.
1. Acã.  Sucumbiu à tentação devido à cobiça.  Em Acã podemos perceber a seqüência do pecado: viu, cobiçou, tomou,e escondeu.  ( Js.  7:21 ).  
2. Demas.  O Fascínio do mundo o atraiu: “ Demas, amando este mundo, abandonou-me e foi para Tessalônica.” ( II Tim.  4: 9 ).  
3. Ló.  Fez uma escolha através da carne, ou seja, não resistiu à tentação de ir para um lugar onde existia imoralidade.  “ Levantou Ló os olhos, e viu toda a campina do Jordão e que era toda bem regada.” ( Gn.13:10a ).  
4. Esaú.  Não soube dar valor às coisas espirituais e perdeu o direito à primogenitura.  Para ele, o que interessava era saciar seu desejo no presente.  · Pessoas que resistiram à tentação.
1. Embora anteriormente tivesse negado o Mestre, vemos em duas ocasiões, pelo menos, ele resistir à tentação: repeliu à tentação de honrarias humanas em Atos 10:26 .  “Levanta – te que eu também sou homem.” Recusou também receber dinheiro: “ O teu dinheiro, seja contigo para a perdição, pois cuidaste que o dom de Deus se alcança por dinheiro.” ( Atos 8:20 ).  
2. Jó.  Recusou amaldiçoar Deus no momento da adversidade ( Jó 2:10 ).  
3. Josué e Calebe.  Repeliram a tentação de ceder à vontade da multidão ( Js.14: 9 ).  
4. Moisés.  Desprezou as glórias do Egito: “ Escolhendo, antes, ser maltratado com o povo de Deus do que por, um pouco de tempo, ter o gozo do pecado” ( Hb.  11:25 ).  Conclusão A tentação é um momento difícil em nossas vidas, contudo tenhamos certeza de que poderemos vencer, porque Jesus mesmo sendo o Filho de Deus, enfrentou-as.  Ele conhece esse momento e pode ajudar-nos: “ Pois não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas, mas sim alguém que, como nós, passou por todo tipo de tentação, porém, sem pecado.  Assim, aproximemo-nos do trono da graça com toda a confiança, a fim de recebermos misericórdia e encontrarmos graça que nos ajude no momento da necessidade” ( Hb.  4:15-16 ).  Se cairmos em tentação, há o recurso do sangue de Jesus “ que nos purifica de todo pecado” ( 1 Jo.1: 7 ).
Finalizaremos com o hino 75 da HC.: “ Tentado, não cedas, ceder é pecar, / Melhor e mais nobre, será triunfar, / Coragem, ó crente, domina o teu mal.  / Deus pode livrar-te de queda fatal”.
Colaboração para o Portal EscolaDominical: Profa.  Ana Maria Gomes de Abreu

Sobre Estudos Cristãos

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>