Sexualidade Cristã: A Educação Sexual no Primeiro Ano de Vida.

0
550

Educação Sexual – A Educação Sexual no Primeiro Ano de Vida.

 

Durante o primeiro ano

É necessário saber que todo menino, desde antes de nascer é muito “velhinho”, pois experimenta ereções involuntárias. Isso foi comprovado mediante imagens ecográficas da barriga da mãe.

Durante o primeiro tempo de vida, as ereções reflexas, em algumas ocasiões, se produzem quando a mãe troca as fraldas, ou toca a pele do bebê com a roupa, também no momento em que está amamentando. Esse tipo de ereções são absolutamente normais e independentes de algo erótico.

Em outras palavras, o bebê não decide nem tê-las, nem não tê-las. Essas ereções tem por finalidade manter em bom estado o funcionamento genital ao longo de toda a vida.

Não existe nenhuma possibilidade de um despertar erótico, ou de uma resposta sexual. Os pais devem reagir com absoluta tranquilidade e naturalidade, para que o bebe perceba a aceitação relativa a seu corpo e suas expressões.

Meses depois do nascimento, apenas o bebe exerça certa coordenação de movimentos, tocará cada parte de seu corpinho, incluindo as genitais. É um processo de reconhecimento absolutamente normal.

Entre os quatro e os seis meses, cada vez que se toca em distintas partes do corpo, começa a sorrir.

Durante todo esse primeiro ano, o bebê percebe o mundo que lhe rodeia por meio dos sentidos, como os mimos, as caricias e expressões de ternura. A amamentação, o banho, a alimentação …etc., são algumas maneiras em que se instrumenta o vínculo e se facilira a incorporação de novas aprendizagens. Por isso recomenda-se que, quando for atender o bebe por algo, olhe em seus olhos, e sorria, colocando-o perto do corpo da mãe ou do pai, dessa forma, o bebe cresce confiante, a virtude básica dessa etapa da vida.

 

Cama Compartilhada.

A cama compartilhada é o dormir na mesma cama com o bebê, não deveria acontecer mais que por algumas horas no primeiro mês depois do parto. Sem nenhum pretexto deve-se dormir na mesma cama. Algumas mães, cujo esposos viajam ou trabalham de noite, para evitar levantar-se, trazem a seus filhos na própria cama. Essa conduta é desaconselhável porque interfere na aquisição de autonomia do bebê.

Dormir no mesmo quarto, o qual também é muito frequente, deve também ser evitado. Não só impede a intimidade dos pais, pois os bebês só estão dormindo e não mortos, já que conservam intactos seus sentidos, e muitos na idade adulta revelam lembranças de seus pais fazendo amor. Alguns se lembram com naturalidade, outros com verdadeira aversão. Por amor ao futuro deles, devemos impedir que durmam no mesmo quarto.

Mudanças

Durante este tempo de vida ocorrem mudanças significativas que todo pai deve conhecer. O bebê absolutamente indefeso, irá mudando para formar parte da cultura na qual nasceu. Em todos os aspectos incorporará conhecimentos.

O aprendizado de tudo que é novo se dará por dois mecanismos: um é de forma ordinária; e outro é por sensações. O primeiro é o método convencional, se baseia em recompensas e castigos: como as notas da escola, o troféu por uma competição, etc.  Por sensações é algo muito diferente; tem a ver com experiências que ainda que possam durar alguns minutos, provocam uma reação profunda. Muitos estudiosos dizem que estas experiências determinam muito o que logo elegemos por gostos. Se relaciona com a forma de buscar e sentir o amor, entre outros aspectos. O motivo pelo qual compartirmos este conceito é para que os pais possam cuidas de suas atitudes, assim com a companhia de quem rodeiam a seus filhos.

Os primeiros anos de vida de nossos filhos são a grande oportunidade de forjar neles grandes valores e melhores recordações, a fim que todo seu futuro seja abençoado pelas boas sementes que semeados durante anos. Não delegue este privilégio, tome tempo para fazer crescer intencionalmente a mente e as emoções de seus filhos.

 

                                                                                                                                                   Por José Luis y Silvia Cinalli

Deixe uma resposta