Reflexão Diária: Apenas Mordomos

0
847





“Muito bem, servo bom e fiel; sobre o pouco foste fiel, sobre muito te colocarei; entra no gozo do teu senhor”(Mateus 25:21).

Um dia, quando o Dr.  Truett estava pregando para os pecuaristas no sudoeste dos Estados Unidos, um rancheiro se aproximou dele ao final do sermão e lhe disse: “Eu nunca soube, até a sua pregação de hoje, que as terras do rancho e as milhares de cabeças de gado que eu sempre disse serem de minha propriedade, na realidade não são minhas.  Tudo pertence a Cristo e eu sou simplesmente Seu mordomo.Até hoje ninguém havia me dito isso.  Eu não tenho sido um bom cristão e nem sei o que Cristo espera de mim.  Eu lhe peço que ore e diga ao Senhor que eu tomarei o meu lugar e que aceitarei a minha função de mordomo”.  Truett então orou, e o rancheiro, tão logo conseguiu controlar suas emoções, concluiu a oração do pregador da seguinte forma: “Mestre, agora sou eu, já na minha nova posição.  Quero oferecer também meu filho junto com tudo o mais que possuo.  Ele agora é Seu.”

Como temos administrado os nossos bens?  Eles têm sido a nossa prioridade, o motivo maior de nossa existência?  A única coisa que verdadeiramente nos interessa?  Temos deixado que a avareza e o egoísmo nos dominem a ponto de nunca estarmos satisfeitos com o que já temos?

Qual o papel do Senhor em nossos negócios?  Ele serve apenas para pedirmos que nos dê isso e aquilo, ou temos lhe dado o controle e direção de tudo?  Temos lhe dado toda a honra e sido fiéis oferecendo a parte que lhe pertence para que outros sejam também abençoados como nós?

Só seremos verdadeiramente felizes com aquilo que o Senhor tem nos concedido se tudo estiver colocado no Seu altar para que Ele use conforme a Sua vontade.  O maior bem que podemos ter não são propriedades e dinheiro, mas o Senhor em nossos corações.Com Cristo em nossas vidas, com muitos ou poucos bens, sempre seremos felizes.

Você já colocou tudo que tem no altar de Deus?  Já ofereceu seus filhos para que Ele tome conta e sejam grandemente abençoados?

Paulo Barbosa

Deixe uma resposta