Estudo Cristão: Incredulidade

0
380


“Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos” ( Ex 19:5 )

Após Moisés, o servo fiel em toda a casa de Deus ( Hb 3:5 ), expor ao povo as palavras que Deus lhe havia anunciado “Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos” ( Ex 19:5 ), todo o povo a uma só voz respondeu: “Tudo o que o Senhor falou, faremos” ( Ex 19:8 ).

A unanimidade do povo ao dizer: `Tudo que o Senhor falou, faremos’, demonstra espontaneidade, voluntariedade e disposição quanto a prestar um serviço a Deus.

A resposta dada pelo povo ao profeta Moisés ecoou ao longo dos séculos, e novamente foi repetida na presença do Messias, que como Filho sobre sua própria casa, foi fiel ao que O constituiu ( Hb 3:2 ): “Disseram-lhe, pois: Que faremos para executarmos as obras de Deus?” ( Jo 6:28 ).

Há um paralelo sem precedentes entre Moisés com o povo no deserto, e Jesus com o povo de Israel sob o domínio dos Romanos.  Ambos, servos de Deus, aquele como servo e este como Filho ( Hb 3:2 -6).

Este paralelo demonstra que Israel, como povo de Deus, em todos os tempos nunca confiou em Deus.  Apesar de serem voluntariosos e dispostos a prestar serviço a Deus ( Rm 10:2 ), sempre desprezaram os seus servos, e por último, lançaram mão do Filho ( Mt 21:37- 39).

Recapitulemos alguns momentos históricos:

Logo após a travessia do mar vermelho, ao chegar em Mara, o povo de Israel murmurou contra Moisés, dizendo: “Que haveremos de beber?” ( Ex 15:25 ).  Por causa da murmuração do povo, Deus lhes deu estatutos e ordenanças com o objetivo de prová-los ( Ex 15:25 ).

Pouco tempo depois, no deserto de Sim, o povo novamente murmurou contra Moisés e Arão ( Ex 16:2 ), e Deus fez `chover’ carne e pão dos céus para prová-los, se seguiam a sua lei ou não ( Ex 16:4 ; Dt 8:2 ).

A ordenança do Senhor não era difícil de realizar, pois bastava o povo crer na palavra do Senhor, atendo-se a colher uma porção do maná para cada dia, porém, não deram ouvidos a Moisés ( Ex 16:20 ).

O povo no deserto viu e comeu o pão que Deus deu a comer, porém, não deu ouvidos à palavra de Deus, o verdadeiro pão que dá vida aos homens, e foram reprovados.  A vida é proveniente da palavra de Deus ( Dt 8:3 ), ou seja, não deriva dos sentidos (ver) ou da satisfação das necessidades física do homem (comer)( Ex 16:28 ).  Por não confiarem em Deus, logo a seguir, tentaram ao Senhor em Redifim dizendo: “Está o Senhor no meio de nós, ou não?” ( Ex 17:7 ).

Quando o povo chegou ao monte Sinai, Deus lhes disse: “Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes a minha aliança, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos” ( Ex 19:5 ).  O povo foi novamente instruído a ouvir a voz de Deus.

Naquele momento (agora) Deus estava estabelecendo uma aliança com base na Sua fidelidade, tendo como exigência somente o ouvir diligentemente à voz de Deus, ou seja, bastava confiar (ouvir), porém, o povo queria realizar algo ( Ex 19:8 ).

Em seguida Deus anunciou a Moisés que viria em uma nuvem expessa para que o povo ouvisse quando Ele falasse com Moisés, para que cressem também em Moisés ( Ex 19:9 ).  Entretanto, quando Moisés levou o povo para fora do arraial e Deus começou a falar, o povo temeu e fugiu ( Ex 20:18 ).

Apesar da voluntariedade e espontaneidade, o povo não atendeu a ordem divina: “Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz…” ( Ex 19:5 ), rejeitaram a voz de Deus “Fala tu conosco, e ouviremos.  Mas não fale Deus conosco…” ( Ex 20:19 ), pois não confiavam em Deus que firmou a aliança “…para que não morramos” ( Ex 20:19 ; Ex 19:5 ).

Não foi diferente à época de Cristo, pois o povo lia os escritos de Moisés, mas não criam em Deus ( Jo 5:46 -47).

À semelhança dos milagres realizados no Egito para libertação do povo de Israel, Jesus operou muitos sinais miraculosos visando a libertação espiritual do povo.

Jesus atravessou o mar da Galiléia, e grande multidão O seguia por causa dos milagres ( Jo 6:1 ).  Ao ver a grande multidão que se aproximava, Jesus tinha um plano, porém, perguntou a Filipe: “Onde compraremos pão para toda essa gente?” ( Jo 6:5 ).

Em seguida houve a multiplicação dos pães e peixes, e a multidão comeu carne e pão até estarem saciados, de modo semelhante ao povo que comeu carne e maná (pão) no deserto.  Após o milagre foi recolhido doze cestos de pães que sobejaram ( Jo 6:13 ).

A multidão viu o milagre realizado por Jesus e disseram: “Este é verdadeiramente o profeta que devia vir ao mundo” ( Jo 6:14 ).  Ora, para o homem, um profeta verdadeiro é aquele que se ocupa das mazelas sócio-econômicas do povo.  Se comer carne e pão a se fartar, a multidão procura fazer do profeta rei, porém, quando o profeta transmite a palavra de Deus, rejeitam-no.

Quando a multidão encontrou Jesus do outro lado do mar, ele alertou: “Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará…” ( Jo 6:27 ).

Diante da oferta de comida (vinho e leite) sem dinheiro e sem preço que o Filho do homem fez ( Is 55:1 ), o povo fez a pergunta emblemática: “Que faremos para executar as obras de Deus?” ( Jo 6:28 ).  E Jesus respondeu: “A obra de Deus é esta: crede naquele que Ele enviou” ( Jo 6:29 ).

Deus enviou o seu servo Moisés para que cressem e não creram.  Enviou muitos outros profetas e continuaram não crendo.  Por último, Deus enviou o Filho, e o povo permaneceu firme na incredulidade, não se demoveu de suas convicções: “Tudo que o Senhor falou, faremos” ( Jo 6:28 ; Ex 19:8 ), e permaneceram longe do Senhor, por não ouvirem a Sua voz “O povo permaneceu de pé de longe, enquanto Moisés se chegou às densas trevas, onde Deus estava” ( Ex 20:21 ).

Quando Jesus anunciou que a obra que Deus tem a realizar se vincula à sua Palavra, a multidão, como o povo em Redifim, tentaram a Cristo dizendo: “Que sinais miraculosos, pois, fazes tu, para que vejamos e creiamos em ti?  Que farás?  Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Deu-lhes a comer pão do céu” ( Jo 6:30 -31).

O sinal miraculoso da multiplicação dos pães, que o povo viu e comeu, ficou no esquecimento.  Com base em suas necessidades pessoais, tentaram a Cristo “Está o Senhor no meio de nós, ou não?” ( Ex 17:7 ).  Ver sinais miraculosos, comer carne e pão, ou beber água que sai da rocha em pleno deserto, não traz fé aos homens.

Enquanto buscavam saciedade, Jesus se apresentou como sendo o pão da vida.  Jesus anunciou que, qualquer que vem (crê) até Ele, jamais terá fome ou sede.  Qualquer que ficar de longe, mesmo que prestando serviço voluntariamente, e não der ouvido à palavra anunciada, não terá vida em si mesmo ( Jo 6:53 ).

O povo não queria ouvir a palavra de Deus junto ao monte Sinai, e não deram ouvido ao que Cristo anunciava, porém, desejava ver sinais miraculosos como condição essencial para crerem.

Deus providenciou o Verbo encarnado porque o povo exigia `ver’.  Deus providenciou a Pedra Angular, o que é muito mais maravilhoso do que qualquer sinal miraculoso, e mesmo assim rejeitaram-no “Isto foi feito pelo Senhor e é coisa maravilhosa aos nossos olhos?” ( Mc 12:11 ; Sl 118:23 ).

Deus alertou para que o povo O ouvisse diligentemente, porém o povo exigia ver e queria fazer.  A voluntariedade do povo em prestar serviço fez com que se afastasse do Deus vivo ( Ex 19:8 ; Ex 20:18 ; Hb 3:12 ).  O povo foi convidado a confiar (ouvir) no cuidado de Deus, o garantidor da aliança, mas pensaram que o `favor’ de Deus era a paga pelas suas realizações.  Erraram em seus corações e não conheceram o caminho de Deus ( Hb 3:10 ).

Por que Deus concitou o povo no deserto a ouvir?  Porque a fé (confiança) e a vida (ouvir) vêm pela palavra de Deus “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus” ( Rm 10:17 ).  Só ouve a palavra de Deus aquele que tem vida, vida que é concedida através da palavra de Deus ( Dt 8:3 ).

Jesus, por sua vez, convidou o povo a comer da sua carne e a beber do seu sangue, para que alcançassem vida “Jesus, pois, lhes disse: Na verdade, na verdade vos digo que, se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos” ( Jo 6:53 ).  Ora, a carne e o sangue de Cristo é verdadeiramente comida, e por isso ele concitou os seus ouvintes a trabalhar pela comida que permanece para a vida, ou seja, que cressem em seu nome ( Jo 6:27 ).

Em todos os tempos Deus nunca desistiu da humanidade, visto que a mensagem é a mesma em todos os tempos: “Agora, se diligentemente ouvirdes a minha voz…” ( Ex 19:5 ); “Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom (…) Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim, ouvi, e a vossa alma viverá” ( IS 55:2 -3 ; Jo 6:63 e Hb 2:1 ).

Ora, `nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus’ ( Mt 4:4 ), porque as palavras ditas por Cristo `…  são espírito e vida’ ( Jo 6:63 ).

Por que confiar?  Porque a palavra de Deus não volta vazia.  É a palavra de Deus que realiza tudo o que é aprazível a Deus ( Is 55:11 ).  Basta somente o homem comprar sem dinheiro e sem preço, ou seja, ouvir, que receberá as firmes beneficências prometidas a Davi, conforme a aliança que ele estabeleceu ( Is 55:3 ).

Certa feita Jesus foi abordado por um homem de posição, e ao ouvi-lo dizer que fazia todas as coisas pertinentes à lei desde a sua mocidade, recebeu o seguinte alerta: “Ainda te falta uma coisa” ( Lc18:22 ).  O alerta de Jesus foi motivado pela convicção do homem “Todas essas coisas tenho observado desde a minha mocidade.  Quando Jesus ouviu isto, disse-lhe: `Ainda te falta uma coisa'” ( Lc 18:21 -22).

A fala do homem de posição reproduziu o mesmo pensamento do povo no deserto que pereceu e não entrou no descanso prometido por Deus ( Hb 3:17 )!  Tanto o povo do deserto quanto o homem de posição estavam confiados em suas próprias realizações.  Ele estava seguro de que realizava o necessário para ter direito a vida eterna.

Este também era o entendimento dos escribas e fariseus, visto que sabiam os mandamentos de cor, não matavam, não roubavam, não adulteravam, não diziam falso testemunho, honravam pai e mãe, etc ( Lc 18:11 compare Lc 18:20 -21), porém, faltava a todos uma única coisa: comprar sem dinheiro e sem preço, vinho e leite, ou seja: ouvir atentamente ( Is 55:1 ).

Por descenderem da carne de Abraão, os fariseus estavam confiados na sua carne, ou seja, faziam dela a sua força ( Jr 17:5 ; Fl 3:4 ).  Honravam a Deus com os lábios, mas o coração apartava-se do Senhor ( Jr 17:5 ; Is 29:13 ).  O temor deles consiste em mandamentos de homens, pois não deram ouvido à palavra do Senhor “E farei com eles uma aliança eterna de não me desviar de fazer-lhes o bem; e porei o meu temor nos seus corações, para que nunca se apartem de mim” ( Jr 32:40 ).

Na palavra de Deus (temor) há fidelidade perpétua, pois Ele estabeleceu uma aliança eterna “No temor do SENHOR há firme confiança e ele será um refúgio para seus filhos” ( Pr 14:26).  Mas, qualquer que não ouve a sua palavra, em vez de se refugiar, se lança da presença de Deus (Ex 20:18 ).  Deus falou ao povo de Israel através de profetas, mas nestes últimos dias falou ao seu povo através do Filho ( Hb 1:1 ).  A proposta é a mesma que foi apresentada no deserto: que o homem atente diligentemente para as coisas que já foram anunciadas ( Hb 2:1 ; Ex 19:5 ).

O alerta do Espírito Santo é para que o homem ouça a sua voz ( Hb 3:7 ), para que possa ter acesso ao descanso prometido ( Hb 3:11 ; Sl 95:11 ).  Sendo certo que, todos que crêem entram no descanso prometido, tal qual foi anunciado pelo Senhor ( Hb 4:3 ).

Aquele que confia na palavra de Deus entra para o repouso do Senhor, e assim como o Senhor, descansa de suas obras ( Hb 4:10 ).  Passa a assentar (descanso) nas regiões celestiais em Cristo ( Ef 2:6 ).

Enquanto os sacerdotes da antiga aliança não podiam assentar no tabernáculo porque o povo não quis ouvir a palavra de Deus, os sacerdotes da nova aliança estão descansados, pois estão assentados nas regiões celestiais em Cristo ( 1Pe 2:5 ).  Mas, qualquer que queira fazer alguma obra, não confia em Deus, que trabalha para aqueles que nele esperam “SENHOR, tu nos darás a paz, porque tu és o que fizeste em nós todas as nossas obras” ( Is 26:12 ; Is 64:4 ).  A paz e o descanso prometido decorrem das obras que Deus realiza-nos que crêem.

Como o povo de Israel recuou no monte Sinai e se pôs ao longe para não ouvir a palavra do Senhor, o escritor aos Hebreus concita aos cristãos a se achegarem com confiança diante do trono da graça ( Hb 4:16 ).

Ora, o povo no deserto rejeitou ouvir a palavra de Deus, por isso ela foi impressa na pedra.  Por não confiarem em Deus, a palavra de Deus que é viva e eficaz, rocha para quem confia, tornou-se pedra de tropeço para o povo de Israel ( Rm 9:33 ).

A promessa de Deus é de salvação a todos que crêem.  A única coisa que faz o homem afastar-se de Deus é o coração perverso herdado de Adão ( Hb 3:12 ).  O coração é perverso por causa da ofensa de Adão, e nomeado incrédulo, por não se aproximar do Deus vivo ( Ef 4:18 ).  Ao ouvir a mensagem do evangelho a ignorância é desfeita ( Ef 4:21 ).

Qualquer que crê que, por intermédio de sua palavra Deus cria (Bara) um novo coração e renova o espírito do homem, certamente entrou para o descanso do Senhor ( Sl 51:10 ).

No deserto, por meio da sua palavra, Deus daria ao povo um novo coração e um novo espírito, porém, por não darem ouvido à palavra (incredulidade), Deus imprimiu a sua palavra em uma pedra ( 2Co 3:3 ).  Bastava o povo ouvir à voz de Deus, que Ele imprimiria sua Palavra em seus corações.  Mas, como o povo não ouviu, Deus imprimiu sua palavra nas tabuas de pedra.

É necessário àquele que deseja a vida conscientizar-se de que as boas ou as más ações não mudam a condição do homem diante de Deus.  Em Adão todos pecaram, e não há diferença diante de Deus entre os pecadores: o melhor é um espinho, e o mais reto é uma sebe de espinhos!  ( Mq 7:4 ).

Quando o homem compreende que é impossível salvar-se por meio de suas ações, e refugia-se na palavra de Deus, então Deus realiza a sua obra ( Jo 6:29 ).  Para que Deus realize a sua obra no homem, basta dar ouvido à palavra, que é espírito e vida ( Jo 6:63 ; 1Co 2:4 ).  A obra que Deus realiza naqueles que ouvem a sua palavra (treme) é fazê-los nova criatura, o que torna as suas obras aceitáveis diante d’Ele “Porque a minha mão fez todas estas coisas, e assim todas elas foram feitas, diz o SENHOR; mas para esse olharei, para o pobre e abatido de espírito, e que treme da minha palavra” ( Is 66:2 ).

Após anunciar no Sermão da Montanha que os pobres de espírito são bem-aventurados, Jesus concluiu o sermão dizendo: “Portanto todo aquele que ouve estas palavras e as pratica, será semelhante ao homem prudente, que edificou a sua casa sobre a rocha” ( Mt 7:24 ; 1Co 10:4 ; Rm 9:32 ; At 4:11 ; Dn 2:45 e Ex 20:25 ).

Ou seja, o Sermão da Montanha deriva da mensagem anunciada por Deus através de Isaias.  O pobre de espírito é bem-aventurado porque ouve a palavra de Deus ( Mt 5:3 ; Mt 7:24 e Is 66:2 ), porque come (treme) o que é bom ( Is 55:2 ).

Quem ouve e pratica as palavras de Cristo é comparável ao homem prudente que edifica sua casa sobre a rocha.  Quem ouve e pratica vê que quem edificou todas as coisas é Deus ( Hb 3:4 ).  É prudente pois sabe que está sobre edificado na pedra angular ( Ef 2:20 ), como pedras vivas ( 1Pe 2:5 ).

Após crer na mensagem do evangelho, basta conservar firme a confiança e a glória da esperança ( Hb 3:6 ; Hb 3:14 ).  O temor (palavra) do Senhor deve estar no coração ( Hb 4:1 ), pois as boas novas também foi anunciado ao povo de Israel no deserto, mas foram incrédulos ( Hb 4:2 ).

E o que propõe um coração incrédulo?  Propõe fazer tudo o que o Senhor ordena ( Ex 19:8 ), porém, o que é agradável a Deus não fazem: ouvir (temer, crer) a palavra de Deus ( Is 66:4 ; Jr 32:40 ).  Escolhem os seus próprios caminhos porque tremem de medo e rejeitam o Senhor ( Ex 20:18 ; Is 66:3 ).

Claudio Crispim

Deixe uma resposta